Relacionamento em um Modelo Relacional – Parte 2

Essa é a segunda postagem para concluirmos sobre o tema: Relacionamento em um Modelo Relacional.

Na postagem anterior falamos sobre Diagrama Entidade-Relacionamento, Modelo Entidade-Relacionamento, o que são entidades e atributos e nesse momento vamos falar sobre a maneira que elas se relacionam entre si, também conhecido como cardinalidade.

O relacionamento em um banco de dados relacional é formado pela correlação de linhas que pertencem à diferentes tabelas.

Esse relacionamento ocorre quando um número de ocorrências de uma tabela A está associado com ocorrências de uma tabela B, ou seja, o relacionamento de tabelas é estabelecido quando uma tabela Filho define uma coluna de chave estrangeira que faz referência à coluna de chave primária de sua tabela Pai.

Portanto, cada relacionamento de tabelas em um banco de dados relacional é construído sobre colunas de chave estrangeira (Foreign Key ou FK) e pode haver três tipos de relacionamentos:

Um para Um (1,1): Precisa que a PK da tabela Filho seja associada através de uma FK com a coluna da PK da tabela Pai.

Um para Muitos (1,N): É o tipo de relacionamento mais comum, ele associa uma linha de uma tabela Pai a várias linhas em uma tabela Filho.

Muitos para Muitos (N,N): Nesse modelo várias linhas de uma tabela A podem se relacionar com várias linhas da tabela B e vice-versa.

Então, vamos exemplificar os três tipos de relacionamento que temos para facilitar o entendimento:

  • Um para Um: Em um banco de dados relacional, o relacionamento do tipo Um-para-Um vincula duas tabelas baseado na PK de uma tabela ‘Filho’ que também é uma FK referenciando a PK da tabela ‘Pai’.

Um exemplo de relacionamento 1:1 seria Nota Fiscal para Pedidos, só possuo uma nota fiscal para um pedido.

  • Um para Muitos: Como descrito logo acima, é o tipo de relacionamento mais comum em um banco de dados relacional, esse tipo de relacionamento vincula duas tabelas baseados em uma FK na tabela ‘Filho’ que faz uma referência para a PK da tabela ‘Pai’.

Para o relacionamento 1:N um exemplo seria o fato de um cliente pode ter N pedidos

  • Muitos para Muitos: No modelo relacional, o relacionamento do tipo Muitos-para-Muitos vincula duas tabelas ‘Pai’ a partir de uma tabela ‘Filho’ que possui duas FKs que fazem uma referência às PK’s das duas tabelas ‘Pai’.

Já para o modelo de relacionamento de N:N, temos vários produtos que podem ter vários fornecedores como um exemplo.

Sendo assim, finalizamos a segunda parte das postagens que se complementam para explicar sobre o relacionamento em um modelo relacional.

A primeira postagem pode ser acessada clicando aqui.

Espero que tenham gostado!

Aguardem que vem mais conteúdo pela frente!

Até a próxima!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s